7.6.09

sombra

me interesso pelos mistérios, pelo que está encoberto e no escuro. no canto, escondido atrás do aparente. me interesso pelos mistérios que ninguén consegue enxergar. é mais denso, mais profundo do que o que é aparente e é isso o que me interessa. foi assim que consegui amar e me apaixonar diversas vezes pelo maior maluco que já conheci. não amei o que todos viam. amei o que estava escondido, e por isso que eu sempre escutava: o que foi que você viu nele? ninguém via e ninguém entendia. mas eu só consigo verbalizar isso agora, muitos anos depois.
esse é um gosto meu. uma busca minha. um interesse particular. chegar no fundo. a busca pelo que está escondido, pelo que está na sombra. pelo que não conseguimos revelar a qualquer um.
o que está na sombra - no não revelado - é o que temos de mais precioso, é onde está nosso pote de ouro, o nosso tesouro. o que me faz ir atrás do tesouro do outro? o que dispara em mim o primeiro movimento de ir em busca desse pote de ouro? não poderia eu me conformar com o básico, com a superfície??
para lhe darmos com o tesouro escondido do outro é preciso muita cautela, muito jeito, muito amor e muito equilíbrio e consciência, mas fundamentalmente muito, mas muito amor. amor por você e amor pelo outro. ninguém revela gratuitamente o seu tesouso, ainda mais quando este tesouro vem mascarado de algo que não é tão rico assim. assim é a nossa sombra. assim é o não revelado. a nossa sombra é o que não queremos encarar, é o que não queremos esclarecer, é muitas vezes o que não sabemos nem que existe e muito menos como lhe dar.
pra outra pessoa, aquela que se revela, aquela que se entrega é necessário um desprendimento, uma compreensão do limite entre o que está fora e o que está dentro e um convite para entrar.
esse convite é o que busco agora... um convite para entrar onde ainda não foi mexido, não foi tocado. um convite para entrar bem dentro do seu Ser. me permite?