8.5.10

reflexo da síndrome da caverninha...

por tanto amor, por tanta emoção a vida me fez assim, doce ou atroz, manso ou feroz, eu caçador de mim... preso a canções, entregue a paixões, que nunca tiveram fim, vou me encontrar, longe do meu lugar, eu, caçador de mim... nada a temer senão o correr da luta, nada a fazer senão esquecer o medo, abrir o peito a força, numa procura, fugir às armadilhas da mata escura... longe se vai, sonhando demais, mas onde se chega assim, vou descobrir, o que me faz sentir, eu, caçador de mim...