8.8.09

a arte de ter raízes

se um tempo atrás me perguntassem porque eu achava que tinha nascido eu seria capaz de responder que era para voar. desde quando eu consigo lembrar-me que existo, existe em mim uma sensação de "liberdade" muito forte, muito grande, muito presente. algo que me guia desde os meus primeiros passos. algo que me norteia em direção oposta a tudo que não tenha esse significado pra mim. forte, forte mesmo. nesse apaixonado encontro com a liberdade posso ter adiado conquistas importantes, talvez muito mais do que possa imaginar...
estranhamente, ou não, nem sei mais ao certo, o conceito de estabilidade soava o inverso de liberdade e me trazia repúdio. cheirava mal! passava a sensação de que estar estável poderia ser estar presa, atolada, estática, imóvel, inerte, e isso era muito mais do que desconfortável pra mim. era simplesmente um horror!!! era tudo que eu não queria. muito claro pra mim, como a luz do sol que dá início a mais um dia, eu vivia abraçando essa busca pela liberdade.
hoje, consigo perceber, que ao longo dos anos corri de tudo o que poderia me trazer estabilidade e não-liberdade: namorados certinhos, empregos fixos, amigos exigentes e qualquer outro compromisso que eu tivesse mais trabalho pra me livrar do que dizer: chega, não quero mais! eu achava que seria feliz se pudesse colocar uma mochila nas costas e sair pelo mundo, de lugar em lugar, de terra em terra, sem que fosse preciso me aterrar em alguma delas. a primeira sensação de pânico que tive quando percebi que as coisas não seriam bem assim foi quando tive que prestar vestibular e um filme com os próximos 5 longos anos logo logo, se desenrolou na minha frente e me vi por mais longos 5 anos "presa" a um mesmo lugar. tive um surto de fundo nervoso que me fazia literalmente apagar quando eu estava sentada ou em pé e então, eu só podia ficar deitada. afinal, as raízes não podem se fixar paralelamente à terra, contra o sentido da própria gravidade, me entendem? muito interessante as artemanhas da nossa mente, não?
e a vida, ano após ano, decidida, carinhosa e eficientemente tem tentado me re-orientar em relação ao que é liberdade e ao que é estabilidade. tem me dado algumas raízes: filho, rotina, sistema, e outros artifícios... por mais que eu, ignorantemente ainda, esteja, de certa forma, me debatendo pra receber e aceitar em meu coração isso tudo.
pra ilustrar o que foi dito busquei em dicionários alguns conceitos de liberdade. essa, que todo mundo "acha" que sabe o que é:
1 Estado de pessoa livre e isenta de restrição externa ou coação física ou moral. 2 Poder de exercer livremente a sua vontade. 3 Condição de não ser sujeito, como indivíduo ou comunidade, a controle ou arbitrariedades políticas estrangeiras. 4 Condição do ser que não vive em cativeiro. 5 Condição de pessoa não sujeita a escravidão ou servidão. 6 Dir Isenção de todas as restrições, exceto as prescritas pelos direitos legais de outrem. 7 Independência, autonomia. 8 Ousadia. 9 Permissão. 10 Imunidade.
e de estabilidade:1 Qualidade daquilo que é estável. 2 Equilíbrio. 3 Firmeza. 4 Se­gu­rança.
a vida é mesmo uma arte... graças a deus conservo a capacidade de ficar perplexa e sentir-me abençoada diante do seu desvendar. sigo, então, a trilha sagrada atrás de equilíbrio, firmeza [sem rigidez] e segurança, tendo entendido que o conceito de liberdade transcende, e muito, ao conceito que aprendemos nos dicionários! om.